TRANSLATE:
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
26/03/15 - Doze erros típicos de quem está há muito tempo no mesmo emprego
O que fazer?
Depois de dez anos em uma mesma empresa, é comum que o profissional fique desmotivado, acomodado e esqueça que pode ser mandado embora. E é aí que surgem os problemas. "A acomodação é a mãe de todos os erros. Ela causa todas as falhas que podem levar à demissão", afirma a consultora de carreira e negócios Janaina Ferreira Alves, professora de gestão de pessoas no Ibmec do Rio de Janeiro.

Veja, a seguir, quais os doze erros típicos que um funcionário antigo costuma cometer.

1. Fazer apenas sua obrigação

Para Janaina Ferreira Alves, um dos principais sintomas da acomodação é a falta de dedicação e paixão. "É comum que a pessoa entre no trabalho cheia de gás e, depois, comece a fazer as coisas mecanicamente", afirma. Segundo ela, um funcionário que adota essa postura fica limitado. "É uma armadilha que ele cria para si. O funcionário só será reconhecido, dentro ou fora da empresa, caso se destaque", diz Janaina.


2. Deixar de ter novas ideias

De acordo com a professora de administração da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo) Ana Cristina Limongi-França, o motivo para este tipo de comportamento no trabalho é a desmotivação, originada tanto pela empresa, que não oferece novidades, quanto pelo funcionário, que não faz nada a respeito.
Para Tania Casado, também professora da FEA e coordenadora da FIA (Fundação Instituto de Administração), se você está em uma mesma organização há muito tempo, tome cuidado para não ficar com o olhar viciado, mesmo se considera que sua carreira está indo bem. "Se você conseguiu galgar outros postos, pode cair no erro de perder o contato com a inovação", diz Tania. "Esteja constantemente se aperfeiçoando para trazer respostas novas".


3. Não se atualizar

"Não cuidar do próprio desenvolvimento e esperar que a empresa faça isso é uma das piores decisões que um funcionário pode tomar", diz a professora da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Daniela do Lago. "Se a empresa oferecer isso, ótimo. Se não, deve partir de você. É preciso sempre estar atualizado, fazer cursos, se aperfeiçoar", afirma.

"Muitos funcionários antigos não são reconhecidos porque não fazem cursos, não desenvolvem competências", diz a consultora de carreira Janaina Ferreira. Segundo ela, se você fica um ano sem desenvolver novas competências, fica obsoleto. "Se tudo está mudando e a pessoa está há dez anos fazendo a mesma coisa, há algo errado", diz. Ana Cristina recomenda fazer quatro cursos por ano, mas não se assuste: valem cursos pela internet e de curta duração. "Isso estimula o profissional e mostra ao mercado e á empresa que ele tem interesse".

Há demissões em massa na área em que você atua? Você está desmotivado? Seu trabalho está sendo constantemente criticado? Se as respostas forem "sim", chegou a hora de tentar reverter esse quadro se não quiser ficar desempregado. A seguir, especialistas apontam os dez maiores sinais de perigo. São eles: Erick Penna, consultor de carreira e palestrante, MBA em Gestão de Pessoas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas); Maurício Sampaio, educador, escritor e coach e Bibianna Teodori, coach e fundadora da Positive Transformation Coaching. Por Catarina Arimatéia, do UOL, em São Paulo Leo Gibran/UOL


4. Reclamar demais

É comum que funcionários com muito tempo de casa tenham o hábito de reclamar o tempo todo sobre a empresa, mas sem fazer nada para mudar de situação. "Eles podem achar que reclamar os torna importantes, e que, assim, mostram serviço. Além de ruim, este comportamento contagia os demais", diz Ana Cristina Limongi-França.
Para Janaina Ferreira, não se deve falar qualquer coisa no ambiente corporativo. "Só porque você está na empresa há muito tempo não significa que pode fazer reclamações o tempo todo. Você não sabe aonde o comentário pode chegar. Alguém pode distorcer o que foi dito", afirma.


5. Ser teimoso e inflexível

Depois de muitos anos em uma mesma empresa, é comum que o profissional pense que o jeito que ele desempenha as tarefas esteja sempre certo. E mais: chegue ao ponto de não aceitar ideias novas –e até de debochar delas. "É um erro pensar que as coisas não podem mudar só porque você agiu de um jeito por dez anos", diz Janaina. "Tenha flexibilidade para acompanhar a situação da empresa, para ouvir os colegas, ouvir críticas. Se o mercado muda, a empresa muda, mas eu não, sou eu o inadequado", diz.


6. Rejeitar funcionários novos ou formar "panelinhas"

Só se relacionar com os funcionários antigos mostra falta de percepção da importância do trabalho em equipe, afirma a consultora de carreira e negócios Janaina Ferreira Alves. Todos devem se integrar com os colegas novos". A rejeição costuma ser ainda maior se o novato chegar para um cargo de chefia. Quem já está na empresa pode se sentir injustiçado e rejeitar o novo superior. Mas Ana Cristina diz que é um erro esperar uma promoção por tempo de casa. "Não é uma fila. A medida é a competência".


7. Chegar atrasado ou sair mais cedo

Se há uma relação de intimidade com superior, o funcionário antigo pode pensar que tem abertura para chegar atrasado ou sair mais cedo do trabalho. "Como todos o conhecem, ele pensa que pode faltar, se atrasar, sair mais cedo. E, no fim, acaba sendo visto como alguém que não está comprometido. Com esse comportamento, dificilmente será reconhecido.


8. Se achar íntimo do chefe

Depois de tanto tempo convivendo com o chefe, é comum que a relação se estreite. Mas, segundo Janaina, intimidade demais com o superior pode ser uma armadilha. Se você começar a se aproveitar da vista grossa do chefe para acobertar suas falhas, quando for necessário, ele exigirá mais de você, que não poderá negar nenhum pedido dele, pois deve muitos favores. "As relações são vias de mão dupla", diz Janaina. "Mantenha uma certa formalidade e crie espaço para poder negar algo".


9. Fazer piadinhas inconvenientes com os colegas

Quase toda empresa tem aquele funcionário antigo que acha que tem liberdade para agir como quiser com os colegas –isso inclui piadinhas inconvenientes e apelidos. Ana Cristina, professora da FEA, diz que o descuido e desrespeito com o outro é resultado da banalização das relações de trabalho, e cabe ao chefe dar um fim nisso. "É um comportamento perigoso, que pode chegar a ser assédio moral. É uma falsa liberdade muito nociva", afirma.


10. Gritar e falar palavrões

Quem não tem educação na vida pessoal tende a agir do mesmo modo no trabalho, principalmente se estiver insatisfeito com o cargo. Para Ana Cristina, depois de muito tempo sem uma promoção, há pessoas que tentam se autoafirmar ficando mais agressivas, xingando, gritando e falando palavrões. Também há quem se torne mais detalhista e mal-humorado. As explosões também podem ser consequência da ilusão de que se está seguro no emprego.


11. Pensar que manda

Segundo a consultora de carreira e negócios Janaina Ferreira Alves, do Ibmec, é comum que funcionários antigos que não estão em cargos de chefia pensem que têm o direito de dar ordens aos novos contratados. "Ele pensa que, só porque tem mais tempo de casa, é uma autoridade", afirma.


12. Não aceitar críticas

Janaina diz que muitos veteranos têm dificuldade de aceitar críticas. Depois de tantos anos desempenhando certas atividades, é compreensível que o funcionário sinta que sabe mais do que os outros. No entanto, é preciso ter humildade para ouvir e debater opiniões diferentes. "Os experientes também cometem falhas. Espera-se que eles assumam a responsabilidade por seus equívocos, senão eles se repetirão", afirma.


Fonte:- Portal UOL
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2018 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Manual de Indicadores de Gestão de Pessoas - 2017
2017 - Concurso para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
RAS On-line
RAS Vol. 16 N° 65 Outubro-Dezembro, 2014
Mais Recentes
COMPARTILHAR EXPERIENCIAS MÉDICAS ONLINE 11/10/18
BOAS PRÁTICAS GERENCIAIS 08/10/18
COMO ESTABELECER PRIORIDADES 05/10/18
NÃO SE PODE ABDICAR DA ÉTICA 04/10/18
Comitê Científico 01/10/18
EXPECTATIVAS PARA O FUTURO 01/10/18
É BOM TER SÓCIOS? 28/09/18
"DASHBOARDS" 24/09/18
COMBATE À CORRUPÇÃO 21/09/18
ACIDENTES DE TRABALHO 20/09/18
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
7Por que e como aderir ao Programa CQH
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança
Videoaulas
Indicador de homem hora treinamento
Avaliação da Necessidade de Treinamento