TRANSLATE:
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
O PAPEL DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO NA ESTRATÉGIA DAS ORGANIZAÇÕES
No próximo dia 8 de novembro, será lançada a publicação O Papel do Conselho de Administração na Estratégia das Organizações. Organizado pela Comissão de Estratégia do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), o documento visa ajudar a ampliar a preocupação dos conselheiros com o pensar estratégico e de longo prazo nas empresas.
O principal objetivo desta publicação é inspirar o pensar estratégico entre os conselheiros de administração. Outro grande objetivo é colocar a estratégia de forma consistente dentro dos conselhos, e, com isso, fazer com que o tema seja uma pauta constante nas reuniões.
Tanto o pensamento estratégico como o planejamento são necessários, mas, isoladamente, eles são insuficientes. Se o conselho não pensar estrategicamente, ele não conseguirá determinar as diretrizes estratégicas do negócio. É importante entender que o pensar estratégico é continuo, já o planejamento é um processo que acontece em determinados momentos da vida de uma empresa. O que é preciso deixar claro é que é incorreto limitar o pensamento estratégico apenas no momento do planejamento.
O planejamento estratégico deve ser desvinculado do orçamento anual. O orçamento é um plano de despesas anuais. O planejamento estratégico é uma visão de longo prazo, de 2, 3, 5 ou mais anos, dependendo do setor da economia onde a empresa atua. O orçamento deve ser feito a partir das necessidades identificadas no planejamento estratégico.
Como há um desconhecimento na maioria das empresas, o que se faz é usar o momento de elaboração do orçamento para debater o planejamento estratégico. O orçamento é atribuição da gestão. Muitas empresas não têm um processo formal e técnico para desenvolver o planejamento estratégico, e acabam submetendo o processo de pensar a estratégia ao processo de elaboração do orçamento. O que é errado. O correto é o inverso: o orçamento deve ser feito a partir do plano estratégico.
Existem alguns inibidores ao processo de planejamento, tais como: o excesso de atenção a assuntos operacionais, que são importantes, mas costumam ocupar grande parte do tempo dos conselhos; a inércia nos tempos de bonança, na qual o sentimento de que "se o mercado vai bem e não precisamos pensar o futuro" que acaba bloqueando o pensamento mais estratégico; projeções de crescimento com base no passado, que é quando, ao invés de analisar de maneira profunda o cenário, se diz "crescemos 10% e vamos crescer 10%"; a questão da subordinação ao orçamento; e remuneração convencional, porque uma maneira de inibir a estratégia é um sistema de remuneração que não privilegia a meritocracia.
A diretoria executiva é responsável pelo desenvolvimento do plano – pela construção e pela implementação do plano. O conselho tem a responsabilidade de aprovar o plano e de acompanhar os indicadores de performance definidos no planejamento. O conselho tem que participar de todo o processo de planejamento estratégico. Primeiro, o conselho define as diretrizes estratégicas. Seguindo essas diretrizes, a diretoria desenvolve o planejamento, cujo produto final é o plano estratégico. Durante o processo de construção do plano, o conselho deve acompanhar o seu desenvolvimento. O colegiado é responsável em aprovar o plano. A partir daí, cabe à diretoria implementar o plano e ao conselho cabe monitorar os indicadores de performance. Em muitas empresas os conselheiros esperam a diretoria elaborar um plano para eles aprovarem. Mas é justamente o contrário do como deve ser: é o conselho que precisa criar diretrizes que serão as bases para o desenvolvimento do planejamento estratégico. Fonte:- Instante IBGC
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO - UMA IMPORTANTE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO E NEGOCIAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE.
Destaques
Manual de Indicadores de Gestão de Pessoas - 2017
2017 - Concurso para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
RAS On-line
Gestão Hospitalar - O Papel do Médico Gestor
RAS Vol. 16 N° 64 Julho-Setembro, 2014
RAS Vol. 16 N° 63 Abril-Junho, 2014
Mais Recentes
Assembleia dos Hospitais Participantes de 01 de dezembro de 2017 17/11/17
IBGC LANÇA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇAO NA ESTRATÉGIA DAS ORGANIZAÇÕES 13/11/17
PROTOCOLO REDUZ COMPLICAÇÕES E TEMPO DE INTERNAÇÃO EM CIRURGIAS 10/11/17
PRINCIPAIS FATORES PARA O SUCESSO DAS EMPRESAS FAMILIARES 09/11/17
CÂMARA DOS DEPUTADOS HOMENAGEIA SANTAS CASA E HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS 09/11/17
PRÁTICAS DE CYBER, PRIVACIDADE, GOVERNANÇA, RISCO E COMPLIANCE DE TI 07/11/17
O PAPEL DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO NA ESTRATÉGIA DAS ORGANIZAÇÕES 30/10/17
Empresa fecha escritório porque os empregados não apareciam para trabalhar | adorohomeoffice.com.br/2017/...
26/10/17
Qual é a relação da ética com a administração? Empresas éticas são mais produtivas | ow.ly/tTXk30b9zlO
26/10/17
Nos EUA, gasto anual com saúde per capita: $ 10.000; renda média pessoal anual: $ 30.000.
26/10/17
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
4Manual de Gestão Hospitalar
53º Caderno de Indicadores CQH - 2009
6Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
7Por que e como aderir ao Programa CQH
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Gerenciamento de Riscos e Segurança do Paciente - a confirmar em 2018
Videoaulas
Indicador de homem hora treinamento
Avaliação da Necessidade de Treinamento