TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
COMPLIANCE É RESPONSABILIDADE DE TODOS
Artigo do Instituto Brasileiro de Governança Corporativ
O termo compliance (conformidade) está se disseminando pelas organizações brasileiras, mas ainda está em fase de evolução. Muitas empresas ainda focam suas práticas somente em ferramentas, medidas de mitigação e mecanismos de segurança, deixando em segundo plano discussões mais amplas sobre o papel dos agentes de governança como disseminadores da cultura de respeito às regras, valores e princípios éticos que deveriam constituir a identidade das organizações. Por enquanto, os elementos relevantes não foram aperfeiçoados e os benefícios não são sentidos.

Especialmente no Brasil, nos últimos anos, a entrada em vigor da Lei 12.846/2013, que pune empresas por atos contra a administração pública, e investigações policiais de grande repercussão contribuíram para aumentar o esforço de empresas em adotar práticas e montar equipes e áreas de compliance. A chamada Lei Anticorrupção incentivou o movimento ao transformar em atenuantes, para as empresas infratoras, a existência de mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo a denúncias de irregularidades e a aplicação de códigos de ética e conduta.

O Decreto 8.420, de 2015, trouxe os parâmetros para avaliação dos programas de integridade. Esses programas, apesar de serem destinados a combater especificamente atos contra a administração pública definidos na lei e representarem somente um espectro de um sistema de compliance, ajudaram difundir elementos básicos e colocá-los em voga.

Dados sobre a procura de cursos de compliance oferecidos pelo IBGC mostram o aumento do interesse do mercado sobre o assunto. Entre 2015 e 2017 foi verificado um aumento de mais de 400% no número total de participantes (subiu de 38 para 195). Os cursos in company também tiveram um salto nesse mesmo período, passando de apenas um em 2015 para 13 no ano passado. Verificado o interesse das companhias sobre o tema, o IBGC lançou no dia 27 de abril, em sua sede em São Paulo, o estudo IBGC orienta: Compliance à Luz da Governança Corporativa.

O IBGC assume um papel relevante na disseminação dos conceitos mais amplos sobre compliance e na capacitação dos agentes de governança. Nos cursos oferecidos pelo instituto, os participantes chegam com muitas dúvidas operacionais sobre implantação de programas, como conduzir o assunto frente a uma denúncia e maneiras de avaliar os mecanismos existentes. “Percebemos uma preocupação para saber se a empresa está preparada para enfrentar eventuais surpresas negativas, uma pressa e urgência para arrumar a casa”, informa o gerente de Vocalização e Influência do IBGC, Danilo Gregório.

A abordagem do IBGC é mais aprofundada e vai muito além das discussões sobre regras e procedimentos, mas mostra que compliance não deve ser entendido de modo restrito a uma cartilha de normas internas ou determinar que a responsabilidade é de um único departamento ou grupo de profissionais especializados. Há uma grande tendência de caracterizar compliance como uma atividade operacional (“estar em compliance”) e não estratégica (“ser compliant”), alinhada à identidade organizacional e a comportamentos éticos, explica a coordenadora da publicação, Mercedes Stinco. “Buscamos explorar o que está na essência da cultura empresarial sobre deliberações éticas e consolidar a identidade da organização”.

A disseminação da cultura de conformidade é uma responsabilidade de toda a organização, mas em especial do conselho de administração. “O conselho deve zelar pela observação dos valores, princípios e padrões de comportamento e estabelecer, permanentemente, formas de monitorar se as ações empresariais estão alinhadas com os princípios e valores da organização”, diz Mercedes.

Dentro da visão do IBGC sobre os sistemas de conformidade, a abordagem deve ser ampla e envolver todos os níveis da organização, numa “visão holística” que integra a identidade da companhia, os agentes de governança (sócios, conselheiros de administração, diretores, conselheiros fiscais, auditores) e os demais elementos de compliance. Os administradores da organização e demais gestores precisam dar exemplos positivos, estabelecendo o tom da liderança.

Sem governança estabelecida é difícil ter compliance. Compliance faz parte da governança corporativa.. O conselho de administração, além de estabelecer os parâmetros éticos, também é um catalizador das mudanças em toda companhia.

Entretanto, para assumir esses desafios e importante a capacitação dos conselheiros. É preciso treinar esse novo tipo de profissional, pois poucos conhecem governança em compliance. O mais importante para o conselheiro é fazer as perguntas certas. Os profissionais também precisam saber como reagir e de que maneira podem contribuir e garantir a preservação da companhia em situações críticas de não conformidade.

Prevenção se tornou imprescindível nos negócios; somente a implantação de regras e procedimentos não muda o comportamento e mentalidade das companhias. Não se muda a cultura criando novas normas.

Nos cursos do IBGC é incentivada a conscientização dos conselheiros sobre a importância dos conceitos de compliance no dia-a-dia profissional, discutindo situações reais e atualizando os conhecimentos. Os conselheiros precisam pensar qual o seu papel dentro da organização, avaliar se os valores pregados são reais e se estão alinhados com suas convicções pessoais. O conselheiro precisa olhar para seu próprio comportamento para dar bom exemplo, buscando a coerência com os princípios definidos pela organização.
Fonte:- IBGC
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
CQH 2019 - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DA SAÚDE e III CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA PREVENTIVA E DE ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Mais Recentes
FUSÕES E AQUISIÇÕES NO SETOR SAÚDE 22/08/19
ENSINO A DISTANCIA 21/08/19
FUSÃO DE GRANDES LABORATÓRIOS 20/08/19
COMUNICAÇÃO 08/08/19
BURNOUT 06/08/19
Assembleia dos Hospitais Participantes do CQH - 23/08/2019 26/07/19
CORAGEM 26/07/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança