TRANSLATE:
Login
CARREIRA
Cinco razões pelas quais a sua presença online irá substituir o seu currículo em 10 anos
Nós estamos vendo mais e mais os recrutadores usarem a web como um lugar para procurar talentos e realizar avaliações de candidatos.
Esta tendência está aumentando ano após ano e eu já previa que uma "pesquisa de presença online" vai se tornar tão comum quanto um teste de drogas desde 2007. Sua presença online deve consistir de seu próprio site tipo seunome.com. Este site é o núcleo de sua presença on-line e se você otimizá-lô de forma eficaz, que irá colocá-lô como número um para busca do seu nome nos principais motores de busca como o Google.

Além disso, a sua presença online deve conter perfis de redes sociais, no Facebook, LinkedIn e Twitter, no mínimo.

Ao afirmar sua presença na web, você está protegido de outras pessoas, com o mesmo nome. Você também ganha controle sobre como você é percebido on-line, e, portanto, o que os empregadores irão descobrir sobre você quando realizar uma pesquisa. Um estudo recente da OfficeTeam mostra que mais de um terço das empresas sentem que os CVs serão substituídos por perfis em redes sociais. Minha previsão é que nos próximos dez anos, a retomada será menos comum, e sua presença online vai se tornar o que seu currículo é hoje, em todos os tipos e tamanhos de empresas.

Cinco razões pelas quais a sua presença on-line vai substituir o seu currículo:


1. Uso de rede social está subindo rapidamente, enquanto o de e-mail está despencando

Mais e mais pessoas estão usando as redes sociais para enviar e receber mensagens. Cerca de 90% dos usuários de internet dos Estados Unidos utilizam um site de rede social a cada mês, conforme relatórios Comscore. Uso de e-mail baseado na Web caiu 8%, com a maior queda na faixa de 12 a 17 anos de idade, com uma queda de quase 60%. Embora, você possa pensar nisso como uma tendência geracional, o maior crescimento demográfico no Facebook é de maiores de 35 anos, e LinkedIn atende principalmente esta faixa etária, também. Os empregadores estão revendo seus perfis para ver que tipo de pessoa você é fora do trabalho, se você está conectado, e como você se apresenta. Cada item dá pistas sobre quão bem você pode encaixar na cultura corporativa. Quando os funcionários não se encaixam na cultura, não há volume de negócios, e custa a organização milhares de dólares.


2. Você não pode encontrar mais emprego da maneira tradicional

A fim de obter um trabalho, você tem que ser criativo, atrair olhares para o seu site e rede constantemente. Responder a anúncios de emprego, nos jornais e online, não leva a lugar nenhum e está se tornando completamente ineficaz. Susan Adams, da Forbes.com, compartilhou uma pesquisa realizada pela webjob.com dos candidatos a emprego empregados recentemente e descobriu que apenas 23% dos entrevistados encontraram o seu trabalho através de anúncios. Ao construir a sua presença online, os empregadores podem encontrá-lo e, assim, você tem mais oportunidades. Se você não tem uma presença on-line, você não parece ser relevante e você vai ser passado por candidatos mais experientes que têm visibilidade. Você precisa ser criativo em sua busca de trabalho através do desenvolvimento de seu próprio produto, e-book, video viral ou publicidade pessoal. Finalmente, você precisa tratar a sua vida como um evento de networking gigante, e conhecer tantas pessoas em seu campo que puder.


3. As pessoas estão gerindo suas próprias carreiras como empresários

No campo profissional, o termo "Careerpreneur" descreve um profissional que gere a sua própria carreira como um empreendedor, sempre procurando a próxima grande oportunidade. O meu colega, Scott Gerber, autor do livro "Nunca arrume um emprego de verdade", diz que é melhor: "você precisa criar um emprego para manter um emprego." Uma pesquisa com 1623 pessoas da Geração Y, conduzido por Buzz Marketing acha que mais de 35% desta geração começaram negócios em paralelo, a fim de complementar sua renda. Isso mostra que a geração mais jovem entende que não há segurança no emprego e que eles podem construir uma empresa e compensar os seus baixos salários. Outro estudo revelou que 84% dos empregados pretende procurar novos empregos em 2011 (contra 60% no ano anterior). É muito fácil ficar demitido agora, é por isso que você precisa parar agora e construir a sua presença on-line antes que você precise dela, e olhar constantemente para novas oportunidades de formar a sua marca pessoal.


4. O currículo tradicional é agora virtual e fácil de construir

Alguma vez você já criou o seu currículo usando o Microsoft Word? Tenho certeza que sim, mas esses dias estão rapidamente chegando ao fim. Profissionais vão começar a usar a ferramenta de LinkedIn "Resume Builder" para transformar seu perfil do LinkedIn em um currículo que eles possam usar para submeter a vagas. Desta forma, os perfis do LinkedIn pode ser usado passivamente e ativamente no processo de procura de emprego. Os empregadores usam o LinkedIn como uma ferramenta de busca para encontrar os melhores talentos e candidatos a emprego e usam o LinkedIn para alavancar a sua rede de apoio à sua busca.


5. A paixão pelo emprego tornou-se o fator decisivo para a contratação

Sua presença online comunica, ou deveria comunicar, por o que você realmente e verdadeiramente está apaixonado. 83% dos candidatos a emprego preferem ter um emprego que ama do que um emprego que paga bem, de acordo com uma pesquisa SimplyHired.com. Por outro lado, eu acredito firmemente que você não será mais capaz de obter e manter um trabalho sem paixão. Há demasiada concorrência e empregadores gostam de ver as pessoas que estão desfrutando o seu trabalho, porque elas vão ser mais produtivas e ajudar a fomentar uma cultura corporativa forte. Sua melhor aposta é a de desenvolver a sua presença on-line e focar sua busca de trabalho em torno do que você está apaixonado, em vez do que você vai fazer o máximo de dinheiro. Em breve, você vai ver que a sua paixão vai fazer mais dinheiro do que sua sede por um salário mais alto!


Fonte: traduzido de forbes.com, artigo de Dan Schawbel
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2018 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Manual de Indicadores de Gestão de Pessoas - 2017
2017 - Concurso para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
RAS On-line
Gestão Hospitalar - O Papel do Médico Gestor
Mais Recentes
BOAS PRÁTICAS GERENCIAIS 20/05/19
VOCÊ SABE SER "CHEFE" 20/05/19
QUEM PAGA A CONTA DA SAÚDE? 17/05/19
BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PESSOAS 13/05/19
MAIS VOVÔS QUE NETINHOS 10/05/19
COMUNICAÇÃO 09/05/19
Assembleia dos Hospitais Participantes do CQH - 07/06/2019 07/05/19
GESTÃO DA QUALIDADE EM SAÚDE 25/04/19
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH 23/04/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança
Videoaulas
Indicador de homem hora treinamento
Avaliação da Necessidade de Treinamento